O USO DO ORIGAMI NO PROCESSO DE ENSINO DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO EM PRODUÇÕES ACADÊMICAS

Autores

DOI:

10.63036/ReTEM.2965-9698.2023.v1.47

Palavras-chave:

Origami, Ensino e aprendizagem de Matemática, Dissertações, Geometria

Resumo

Ao cursar Pedagogia na Universidade Federal do Tocantins, muito se discutiu em relação a importância da utilização de atividades lúdicas no desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem. Por ocasião da realização do Estágio Supervisionado desafiamo-nos a propor atividades de recreação com dobraduras utilizando a técnica do origami e a desenvolver o presente estudo. Para tanto, estabelecemos como identificar conteúdos/conceitos matemáticos presentes em dissertações que tematizam o uso do origami no processo de ensino e aprendizagem. Trata-se de um estudo bibliográfico no escopo de revisão sistemática de literatura em que consultamos no catálogo de teses e dissertações da CAPES o termo de busca “origami”, ao que, inicialmente, foram identificadas 102 produções publicadas no período de 2001 a 2022, sendo 7 teses e 95 dissertações. Após o refinam ento foram selecionadas 46 dissertações, sendo que a publicação mais antiga data de 2013. Os resultados indicam que estes estudos exploram conceitos de geometria nos diferentes níveis de ensino, inclusive na formação de professores, como por exemplo, cônicas, hipérboles, esferas, lugar geométrico, razão áurea, construções euclidianas. Constam também estudos em que o origami é utilizado para tratar de conceitos de fração, assim como de desenvolver atividades voltadas às artes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Idemar Vizolli, Universidade Federal do Tocantins (UFT), Palmas, Tocantins, Brasil.

Possui graduação em Ciências Naturais pela UNIJUÍ - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (1985), graduação em Matemática pela UnC - Universidade do Contestado (1997); Mestrado em Educação pela UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina (2001), Doutorado em Educação pela UFPR Universidade Federal do Paraná (2006) e Pós-doutoramento em Educação pela Universidade Estadual do Pará (2020). Atualmente é professor Associado da Universidade Federal do Tocantins; professor e orientador no Programa de Mestrado Acadêmico em Educação na UFT; no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática (PPGECEM) na Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática (REAMEC); no Programa de Pós-Graduação em Educação na Amazônia (EDUCANORTE) - Associação Plena em Rede; Coordenador estadual da REAMEC. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: Etnomatemática, saberes e fazeres em contextos socioculturais, Proporção-porcentagem, ideias matemáticas, fração, registro de representação semiótica; Educação do Campo; Educação de Jovens e Adultos; e Educação Escolar Indígena.

José Carlos Silveira Freire, Universidade Federal do Tocantins (UFT), Palmas, Tocantins, Brasil.

Graduação em Pedagogia - Universidade Estadual do Ceará (1994), Mestrado (2002) e Doutorado (2013) em Educação pela Universidade Federal de Goiás. Pós-doutorado em Educação, UEPA. Vinte e oito anos de atuação como docente da Educação Superior, na área de Pratica de Ensino e Estágio Supervisionado nos cursos de licenciatura da Unitins e UFT. Atua como professor Curso de Licenciatura em Pedagogia, UFT. É Docente-Orientador Programa de Residência Pedagógica, Sub-Projeto Pedagogia-Alfabetização UFT. É Assessor de Avaliação do Projeto de Extensão EducaTO, da Rede Colaboração Tocantins. Docente do Mestrado em Educação Profissional da UFT. Membro do Grupo Grupo de Pesquisa - Formação de Professores: Fundamentos e Metodologias de Ensino (FORPROF). Membro de Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação, Desigualdade Social e Políticas Públicas - NEPED ? UFT. Desenvolve pesquisas na área de Educação, com ênfase nos temas: Formação de Professores, Docência e Práticas Educativas, Avaliação. Membro da Associação Francofone Internacional De Pesquisa Científica em Educação Afirse ? Secção Brasileira. Filiado a Associação Nacional pela Formação de Profissionais da Educação - Anfope.

Thalis de Oliveira Gonçalves, Pesquisadora independente. Porto Nacional, Tocantins, Brasil.

Graduado em Pedagogia pela Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Referências

DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Científica Aplicada, Blumenau, v. 2, n. 4, p. 01-13, Sem II. 2008.

FONSECA, João José Saraiva da. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

FONSECA, Nino; SÁNCHEZ-RIVERO, Marcelino. Revisões sistemáticas da literatura: Uma súmula para as ciências sociais. Dos Algarves: A Multidisciplinary e-Journal, n 35, 2019, pp 73-82. doi: 10.18089/DAMeJ.2019.35.5 Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/337876783_Revisoes_sistematicas_da_literatura_Uma_sumula_para_as_ciencias_sociais> Acesso em: 25/07/2022 DOI: https://doi.org/10.18089/DAMeJ.2019.35.5

HAYASAKA, E. Y, NISHIDA, S. M. Origami na Educação. São Paulo: Museu Escola, Universidade Estadual Paulista-UNESP, 2009. Disponível em: <https://www2.ibb.unesp.br/Museu_Escola/Ensino_Fundamental/Origami/Documentos/indice_origami_educacao.htm> Acessado em: 17.07.2022

J. Coutinho. Maiami. O papel - T’Sai Lun. 13 de abril de 2013. Disponivel em: <https://jcoutinhomaimai.com.br/o-papel-t’sai-lun/> Acessado em: 17.07.2022

MANSO, Roberta Lucena Duarte. Origami: uma abordagem pedagógica para o ensino de Geometria no 9º ano. Universidade de Lisboa. Faculdade de Ciências. Departamento de Educação. Portugal, 2008. Dissertação de Mestrado.

PRIETRO, J. I. R. . Matemáticas y Papiroflexia. Sigma, 21, 2002, pp. 175 – 192.

SANTANA, M. B.; CORREIA, A.M. A. Origami e Geometria: Uma Contribuição para o ensino Fundamental. 2001. Disponível em: <http://www.fafibe.br/revistaonline/arquivos/gracielecruz_origami.pdf> Acessado em 17.07.2022

UENO, T. R. Do Origami Tradicional ao Origami Arquitetônico: Uma Trajetória Histórica e Técnica do Artesanato Oriental em Papel e suas Aplicações no Design Contemporâneo. Tese de Mestrado Bauru: Faculdade de Arquitectura, Artes e Comunicação da UNESP (2003).

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - UFMG. História sobre papel. (2020) Disponível em: <https://www.ufmg.br › historia-sobre-papel> Acessado em: 17/07/2022

OLIVEIRA, J. S. (2005). Educação Matemática de Surdos: uma experiência com Origami. 2005. Disponível em <http://www.ines.org.br/paginas/publicacoes/Arqueiro/Arqueiro%2011.pdf>

Downloads

Publicado

2023-12-31

Métricas


Visualizações do artigo: 65     PDF downloads: 41

Como Citar

VIZOLLI, Idemar; FREIRE, José Carlos Silveira; GONÇALVES, Thalis de Oliveira. O USO DO ORIGAMI NO PROCESSO DE ENSINO DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO EM PRODUÇÕES ACADÊMICAS. ReTEM - Revista Tocantinense de Educação Matemática, [s. l.], v. 1, p. e23005, 2023. DOI: 10.63036/ReTEM.2965-9698.2023.v1.47. Disponível em: https://ojs.sbemto.org/index.php/ReTEM/article/view/47. Acesso em: 23 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos: Processos de Ensino e Aprendizagens de Matemáticas